erros como esse

gostar de você é como ir tomar banho
e ficar segundos parada em frente à água gelada
criando coragem para enfim colocar o corpo todo
é doloroso no inicio, esfria a alma
mas depois o gélido se torna prazeroso
e eu não quero mais sair do banho.

gostar de você é como aqueles momentos
que tô voltando de manhã duma balada
toda acabada, com frio e vazia
mas o cheiro do cigarro e do alcool me anestesiam
e por um segundo aprecio aquela mistura de sensações
tão boas quanto as que você causa
ou causava, não sei.

gostar de você é como um dia ruim
que eu pego ônibus, deprimida
e encosto a cabeça na janela, respiro fundo
fecho os olhos e lembro de você
me olhando e disfarçando o olhar em seguida
me dando um selinho e sorrindo
aquele sorriso que me bambeia as pernas
abro os olhos esperando te encontrar
e não te encontro.

gostar de você é como quando eu me inebrio
beijo bocas alienígenas na expectativa
de que numa dessas eu esqueça a sua
e depois de tentativas falhas
não conseguir afagar o sufoco que você deixou,
nenhum beijo é tão singular quanto o seu.

gostar de você é tão dolorido
quanto parar de gostar
e isso, eu não me imagino fazendo
mas anseio pelo dia que eu fizer.

ainda mais

eu fiz besteira.

deixei que a carência
a necessidade de
ser olhada de volta
me fizesse retroceder.

não durmo há dias
sem divagar
não como há dias
sem me odiar.

deixei que a sinestesia
fosse maior que
a efetividade.

permiti novamente
que a afeição
me fizesse refém
e fosse meu
estorvo.

sentir é
sinônimo de
pesar.

sem título

estou desmor
                         o
                           n
                             a
                               n
                                d
                                o
.

sem rodeios

essa sensação de não pertencer
ou de tentar parecer
mas ninguém notar
– você especialmente.
e estar sempre ali
na sua frente
para quando você quiser
sem mutualidade.

eu tenho tentado
estar sempre a frente de você
eu tenho tentado
ser legal
mesmo quando eu me sinto
menor
de menos valor.

eu tenho me enganado
e imaginado
que você vai voltar
quando
sem perceber
você nunca ficou
nem foi
nem me pertenceu.
dias assim
eu me reduzo à inexistência
pois eu alucino
e sinto minha alma.

eu tenho tentado
mas os gritos
ressoam outras coisas
ecoam a realidade
(que eu prefiro evitar).

obras

minha casa está em reforma, eu digo para todos antes deles adentra-la. não que eu me importe, mas é um reaviso para mim mesma. mentalmente. minha casa está em reforma. não lembro quando ela não esteve. não lembro quando as janelas tiveram vidros inteiros, os interruptores com suas capinhas acrílicas de proteção feitas, as paredes com tintura não-descascadas e sem manchas. não lembro quando as coisas estiveram consertadas e terminadas. dessa vez minha casa iniciou uma reforma no começo do ano e, como natal está chegando e a ilusão de um presente melhor, parece que terminará em breve. minha casa retomará a reforma. eu espero que essa seja a última.

pelas razões que eu não sei

a minha cabeça dói
como se algum dia resolvesse
fazer o que eu mandasse

minha cabeça dói
na mesma frequência
que meu coração mantem
perdendo, assim, sua única essência
para teimosia

um latejar que se torna nítido
que faz eu notar coisas que
antes eu me desfazia

um barulho silencioso
que retoma condição
de que nada está sendo
nem como devia
nem como eu queria

minha cabeça dói
assim como minha vontade
de tentar
fazer parar de doer

os remédios não fazem mais efeitos.